Última Publicação:

O Lobo-da-Tasmânia caminha como um mito!

O Lobo-da-Tasmânia caminha como um mito!


Um jovem Tilacino
(quem sabe se... Benjamin?)
 O Tilacino (como prefiro) ou o Tigre-da-Tasmânia (definição que discordo) desapareceu e foi dado como extinto em 1936, como já referi em anteriores artigos. Foi visto pela última vez na natureza em 1933. Depois disso, levou apenas três anos até que o último exemplar em cativeiro (o ou a célebre “Benjamin”, pois nunca houve a certeza do seu sexo) desaparece-se e deixasse o mundo natural mais pobre. Felizmente, pelo menos, preservaram-se os pequenos filmes documentais e as fotos para ter a certeza que este  magnifico e singular animal existiu de facto e não faz parte da mitologia zoológica.


Desde essa altura e esporadicamente ao longo dos últimos 80 anos, foram registados testemunhos que descreviam diversos “avistamentos” desta espécie no seu habitat natural ou perto de áreas urbanas ou tribais. Na verdade, nunca nada foi comprovado, nem os dados foram até hoje suficientemente fidedignos para se dar o crédito necessário de que a espécie ainda existia e não tivesse sido de facto extinta pelos colonos europeus (com  concordância governamental) na década de 30 do século passado.

As notícias voltam de novo à ribalta. Novos relatos, levaram um grupo de investigadores da “JCU” (James Cook University), na Austrália, anunciar a intenção de encetar uma expedição científica em busca deste extinto predador marsupial. Dando agora alguma credibilidade aos últimos elementos recolhidos, designadamente, de um antigo guarda florestal em Queensland, que descreve um desses “avistamentos” de forma detalhada e descrições consideradas bastante plausíveis, para além de afirmar que estes encontros são reconhecidos também pela população aborígene nessas regiões mais remotas. Todavia as dúvidas subsistem… Mesmo tendo em conta um vídeo (que já tive oportunidade de visualizar) de 2016, em que é observado um animal esquivando-se num jardim de uma casa; só que é tudo tão rápido, que o registo em si, também não garante qualquer evidência que nos permita confirmar tratar-se de um Tilacino.


É com base nestes novos dados, que os investigadores pretendem levar acabo um trabalho efectivo com esta expedição no estado de Queensland e regiões florestais mais isoladas. Esta pesquisa está marcada para iniciar-se este mês e, consta da colocação estratégica de meia centena de câmaras digitais de alta tecnologia em locais designados estritamente confidenciais, na Península de Cape York, de maneira a proteger o habitat e as zonas onde se pressupõem que possam registar esses ténues indícios. Contudo, diria já, como é possível proteger uma espécie “considerada extinta” com elementos geográficos relativamente referenciados e quase precisos. Este tipo de trabalhos no terreno não são divulgados assim; há sempre algum secretismo à volta destas missões. E já sabemos inclusive, que os resultados deste trabalho foram garantidos que seriam tornados públicos logo após a conclusão da investigação. Para uma expedição tão importante do ponto de vista cientifico, parece-me que já houve informação demais.

 Todas as fotos deste artigo fazem parte do pequeno lote de imagens existentes de Tilacinos vivos, tiradas provavelmente entre 1930 e 1936.


Contudo, na minha modesta opinião, esta probabilidade da não-extinção é praticamente inverosímil, por muito que desejasse estar errado. Pois, estamos a falar de mais de 80 anos. Seriam necessárias várias gerações de indivíduos. A existência de uma população razoável mesmo que mínima para preservação de um animal fugidio, mas territorial.  Com riscos potenciais de consanguinidade e com uma reduzida diversidade genética. Para além de décadas de presas necessárias que sustentassem as ninhadas de 2, 3 ou mesmo 4 crias. Num habitat que há muitas centenas de anos que não era o seu; visto que as busca ocorrem na Austrália e não na Tasmânia… Estamos a falar igualmente de um predador, de um animal semelhante em tamanho e mesmo no aspecto, a um coiote, ou a um lobo de menor porte, com cerca de 30 kg. Mesmo tendo em conta que a sua actividade era provavelmente mais nocturna ou crepuscular; o certo é que, sobre a etologia deste animal pouco ou nada se sabe que permita interpretar a sua acção na natureza. Até a sua dieta alimentar é subjectiva, mas tratando-se ele de um predador, podemos pressupor de acordo com a biodiversidade existente em determinadas regiões quais seriam as suas potenciais presas, e isso pode ajudar a traçar melhor regiões especificas…  mas certezas não as temos e o que existem são apenas relatos.


Pessoalmente, bem gostava que fosse possível, sendo ele há muito a imagem simbólica de um dos meus websites, mas infelizmente, é uma realidade por demais improvável. Por outro lado, esta investigação, também poderá por fim a um dos grandes mitos da vida selvagem… Esperemos então, por aquilo que o Professor Bill (William F.) Laurance e a sua equipa, chefiada também pela Dra. Sandra Abell, nos possam trazer do resultado global desta expedição; certamente que estes cientistas têm elementos de pesquisa que nós não temos… O que se sabe é que; para além do objectivo já assumido, a expedição também pretende fazer um levantamento das espécies raras e ameaçadas das regiões envolvidas, como do tipo e do impacto da predação nestes locais.


Temos sido surpreendidos, com alguma frequência nos últimos anos, com a redescoberta de espécies que se consideravam extintas. Ainda recentemente, em 2013, neste continente, foi reencontrado um papagaio (Night Parrot – Papagaio nocturno) que se supunha extinto ou muito perto disso. Isto leva-nos a considerar que não é de todo impossível acalentar a esperança que espécies desaparecidas possam ressurgir de novo em regiões pouco espectáveis. Talvez por isto, seria verdadeiramente incrível do ponto de vista cientifico, e do  repensar toda a biologia… 
Se o Tilacino, o Lobo-da-Tasmânia, não estivesse extinto!


EM BAIXO PODEMOS OBSERVAR ALGUMAS DAS POUCAS IMAGENS 
DO THYLACINE
QUE FICARAM REGISTADAS EM VIDEO.



video video
video video

Sem comentários:

Enviar um comentário

AGRADECIMENTOS

Este Blog tem como finalidade a divulgação de uma mensagem que nos lembre a todos nós o quanto é possível fazer para defender seres que precisam da nossa protecção. Quer aceitemos quer não, somos os principais culpados por os animais sofrerem com o nosso comportamento.



Quero agradecer a todos aqueles que por razões diversas vejam fotos da sua autoria e ideias ou estudos dos quais as minhas investigações foram alvo e não se encontrem citados. Caso seja primordial essa referência para eventuais pessoas ou organizações que se sintam mais lesados desde já solicito essa indicação que de pronto farei as respectivas correcções que venham a ser solicitadas. Estes usos foram feitos sempre em nome de um alerta e de ajuda à divulgação de uma causa, por isso nunca com qualquer pretensão de apropriação, mas sim também para dar à mensagem mais consistência e valor nos temas visados.



Pesquisar neste blogue

O Último Reduto - "Nasci Para Ser Selvagem" Designed by Templateism.com Copyright © 2014

Imagens de temas por Nikada. Com tecnologia do Blogger.
Published By Gooyaabi Templates