Última Publicação:

UM OLHAR OBJECTIVO NUM MUNDO EM EXTINÇÃO



Enquanto alguém atento e preocupado com os fenómenos ligados à extinção das espécies há mais de 40 anos, sempre admirei e de certa forma invejei todos aqueles que dedicam a sua vida pessoal e profissional à conservação e preservação da vida selvagem. Se digo, “invejei”, refiro-me somente, ao facto, de também esse ter sido o sonho de toda a minha vida adulta. Circunstâncias de um destino que não consegui moldar nesse objectivo, levou-me acompanhar o mais perto que pude, todos aqueles que conseguiram-no fazer com um altruísmo que me marcou e marca ainda hoje enquanto ser humano. Foram estes homens e mulheres, que definiram o meu caracter, a minha personalidade, no fundo, o meu sentido humanista da vida.

Limitado, quem sabe, pela predestinação, o caminho deixou-me nas mãos a oportunidade do conhecimento, dos estudos, da literatura, das imagens e de uma proximidade condicionada com o mundo animal, que tentei e tento aproveitar ao máximo. Aos meus olhos e apenas perante eles, assumi o meu papel ou a minha representação enquanto naturalista, e defensor desta causa como conservacionista. Estudar profundamente, o conhecimento das espécies e do mundo natural tornou-se quase uma obsessão de enriquecimento de todo o tipo de elementos. Os parques zoológicos sempre foram a extensão mais próxima da realização de um sonho, e a câmara fotográfica ou de filmar, a transposição do homem para a natureza possível. O registo e a observação da vida selvagem, apesar de circunscrita ao cativeiro, permitia-me olhar e pensar, sob a minha prespectiva conservacionista do estado e das condições em que vivem as espécies, fosse em cativeiro fosse em liberdade, em todo o planeta. A foto e a imagem, passaram a ser o longo documentário e a extensa investigação a que me propunha. E assim, tem sido, junto em complemento de centenas de horas de documentários televisivos gravados, dezenas de obras sobre a natureza, e milhares de registos informativos e estudos publicados, que tenho recolhido ao longo de várias décadas.

É por viver com este sentimento desde que me conheço como gente, sentimento este, que nunca percebi muito bem a sua razão de ser, que entendo a dedicação de tantos outros à causa da defesa da natureza, do meio-ambiente e do mundo animal. Depois, de tantas espécies já terem desaparecido sem grandes registos da sua efémera existência, a fotografia e os documentários são o melhor processo de criar a história da vida selvagem… talvez, inclusive, de promover a sensibilização certa para os riscos que correm hoje mais de um milhão de espécies ameaçadas.


A CÂMARA DE JOEL SARTORE

Depois de uma excelente campanha de promoção e divulgação televisiva, no dia 2 de Maio, muito perto do seu términus, lá consegui, ir à Cordoaria Nacional, antiga edificação fabril da marinha portuguesa “Real Fábrica da Cordoaria da Junqueira”, datada de 1779. E fazer o quê? Ver a magnifica exposição “Photo Ark” de Joel Sartore. Evento e percurso que já conhecia de ver e rever os seus documentários e fotos para a “National Geographic”, mas que não supunha puder um dia observar o seu trabalho de tão perto.






Joel Sartore é um homem admirável. Um conservacionista e fotografo extraordinário. Um "idealista" (no melhor dos sentidos da palavra) e um defensor da vida selvagem que prepara um legado inigualável. Tal como a muitos outros, o nosso Planeta Vivo, assim como a humanidade, deve a este homem um dos mais importantes registos documentais de todos os tempos. Ao longo de 13 anos, fotografar para o “Projecto Photo Ark”, qualquer coisa como 12000 espécies à guarda de parques zoológicos ou santuários de vida selvagem, para além do envolvimento directo que todo este processo requer na sua execução, é como fazer um doutoramento em biologia com tese em zoologia, etologia e morfologia.





Para Sartore, a fotografia do reino animal foi a forma que encontrou para dar uma voz própria aos animais e uma maneira de contar a história das espécies ou ainda alertar para a importância da vida selvagem e a sua vulnerabilidade na natureza. E fá-lo, com uma sensibilidade única na história da zoologia moderna. O destaque do ou dos animais, o olhar ou a sua postura, o enfoco do enquadramento consoante a espécie e o individuo, refletido pelo preto ou branco de um espaço irrelevante, permite-nos viver a experiência de uma relação virtual com aqueles seres vivos à luz de um momento especial e único.






A exposição acolheu cerca de 100 espécies, poucas tendo em conta os milhares de animais já fotografados, mas o efeito daqueles poucos instantâneos, penso que são suficientes, para reflectir a finalidade do “Photo Ark” e a importância do trabalho de Joel Sartore. As frases e as referências conservacionistas dos vários placares dispersos na exposição, a pequena sala de visionamento dos seus documentários para a NG, em conjugação com as placas identificativas das fotos, servem na perfeição o objectivo do alerta para os riscos de extinção de muitas das espécies ali representadas. Isto é tão mais importante, que alguns dos animais por Sartore fotografados já se extinguiram, outros viemos, entretanto, a saber, que os riscos de extinção aumentaram, e outros como o Rinoceronte-branco-do-norte vão inevitavelmente extinguir-se porque a sua reprodução é já “quase” impossível.







Outro facto, que me mereceu, uma especial atenção, foram as visitas guiadas a grupos de estudantes, e que me pareceram bastante consistentes. O número de visitantes e a frequência da sua rotação deixou-me satisfeito e convencido de que o principal objectivo desta exposição pode ter sido realizado… informar, sensibilizar e influenciar aqueles que a visitaram a pensarem e agirem como novos heróis da conservação e da preservação da vida selvagem.






Só um senão… foi pena que não houvesse alguns “flyers” disponíveis no espaço, com pequenas informações adicionais sobre as fotos expostas, para que as pessoas pudessem levar como memória futura e meio de divulgação.









Finalmente, para todos aqueles que visitaram a exposição, e mesmo aqueles que não tiveram essa oportunidade, deixo a sugestão de lerem no website da National Geographic de Portugal… “O Homem Por Trás da Arca – Entrevista a Joel Sartore”.






A sugestão anunciada na exposição de tirar uma "selfie" com uma das espécies retratadas, era realmente tentadora. Como era óbvio, com um telemóvel sem grande resolução, não estava à espera de grandes resultados. Todavia, podia escolher a espécie, entre muitas que tirei... e escolhi, pelas razões anteriormente já referidas... o Rinoceronte-branco-do-norte; e aquela espécie que me tem marcado toda a parte da minha vida dedicada à vida selvagem... o Lince-Ibérico! Excepto esta, resolvi (intencionalmente) não colocar qualquer legenda com o nome das espécies fotografadas, para desafiar os leitores a procurarem a sua identificação na "Web" e assim, terem a oportunidade de descobrir e ficarem fascinados com muitas outras fotos tiradas para a "Photo Ark" por JOEL SARTORE.





Sem comentários:

Publicar um comentário

AGRADECIMENTOS

Este Blog tem como finalidade a divulgação de uma mensagem que nos lembre a todos nós o quanto é possível fazer para defender seres que precisam da nossa protecção. Quer aceitemos quer não, somos os principais culpados por os animais sofrerem com o nosso comportamento.



Quero agradecer a todos aqueles que por razões diversas vejam fotos da sua autoria e ideias ou estudos dos quais as minhas investigações foram alvo e não se encontrem citados. Caso seja primordial essa referência para eventuais pessoas ou organizações que se sintam mais lesados desde já solicito essa indicação que de pronto farei as respectivas correcções que venham a ser solicitadas. Estes usos foram feitos sempre em nome de um alerta e de ajuda à divulgação de uma causa, por isso nunca com qualquer pretensão de apropriação, mas sim também para dar à mensagem mais consistência e valor nos temas visados.



Pesquisar neste blogue

O Último Reduto - "Nasci Para Ser Selvagem" Designed by Templateism.com Copyright © 2014

Imagens de temas por Nikada. Com tecnologia do Blogger.
Published By Gooyaabi Templates